Travemünde é uma linda vilazinha fundada em 1317 e fica na foz do rio Trave, a 18km de Lübeck.
Em 1802 ela se tornou uma importante e tradicional estância balneária e o maior porto de ferryboats da Alemanha no Mar Báltico, fazendo ligação com a Suécia, Finlândia, Letônia e Estônia.
O lindo farol, construído em 1539, é o mais antigo da costa báltica alemã. Tem 30 metros distribuídos em 8 andares.
A vilazinha tem casas históricas, restaurantes, lojas atraentes e uma atmosfera de verdadeiras férias na praia. No total são 2km de praia, e há 1700 cadeiras disponíveis para os banhistas nas areias branquinhas. Um convite irresistível!
A rua principal da vilazinha é fechada para carros, e uma maneira divertida de passear por lá é alugar uma bicicleta. O imenso calçadão, construído entre 1898-1899, proporciona vista incríveis do rio e dos vários barcos, iates e navios que circulam por Travemünde. Aliás, barcos e iates é que não faltam ancorados no porto, impressionante!
Festivais de verão acontecem sempre. O mais importante é o Travemünde Woche, corrida de barcos a vela onde competidores de vários países participam. A praia lota neste período!Travemünde 18Travemünde 24Travemünde 9

Travemünde 20
Maritim Hoel à esquerda e o farol. construído em 1539. O Maritim foi construído em 1970, tem 119m e é o edifício mais alto do estado e do Mar Báltico inteiro

Travemünde 2

Travemünde 3

Travemünde 5

Travemünde 8

Travemünde 7

Travemünde 15

Travemünde 14

Travemünde 22

Die “Passat”: símbolo de Travemünde

O Passat é um navio-museu de quatro mastros. Foi construído em 1911 para ser um cargueiro, pela Companhia Blohm & Voss para a empresa de transportes F. Laeisz.
Sob o comando do capitão Wendler o navio navegou pela primeira vez em janeiro 1912 para o Chile. Foi uma viagem perfeita!
Na quinta viagem, o Passat foi surpreendido pela Primeira Guerra Mundial e permaneceu 7 anos, até 1921, no porto de Iquique. A viagem de volta do Chile a Marseille foi liderada pelo capitão Pieper.  A carga (4,700 toneladas de nitrato) foi destruída lá e o navio foi entregue a França por causa da guerra perdida.
Os franceses não tinham nenhum uso para o navio e o colocaram à venda. Em 22/12/1921 a Companhia Laeisz comprou de volta seu próprio navio por 13.000 libras.
O Passat foi usado novamente para transportar nitrato, e nenhum navio de carga era melhor ou mais rápido que ele.
O Passat colidiu em 25.06.1928 a toda velocidade contra o navio a vapor francês “Daphne”. Foi restaurado em um estaleiro em Rotterdam e já estava pronto 3 meses depois para sua jornada ao Chile.
Oito meses depois teve uma outra colisão no canal inglês. Em 25.06.1929 o Passat colidiu com um navio britânico, novamente a toda velocidade, mas  desta vez, o Passat sofreu danos maiores, mas conseguiu retornar a Rotterdam para ser consertado. Em 18/07/1929 ele já estava novamente consertado e pronto para ir ao mar.
Até 1932, o Passat permaneceu com a bandeira da companhia Laeisz, e tinha a reputação de o mais rápido veleiro de carga.
A Grande Depressão forçou a Laeisz a vender o barco, que foi comprado pelo finlandês Gustav Erikson, em 1932.
Até o inicio da Segunda Guerra Mundial, o Passat fez 7 viagens à Austrália. Todas ocorreram bem e sem muitos danos.
Em 1944, o Passat foi rebocado à Estocolmo para servir, até 1947, como um arsenal.
Com a morte do grande Gustav Erikson, acabou-se a esperança de continuar com a companhia marítima finlandesa e o Passat foi vendido para o Capitão Helmut Grubbe. Grubbe enviou o Passat para Kiel para ser reformado e modernizado.
Em 12/02/1952 o Passat pôde fazer novamente uma viagem sob a bandeira alemã até a América do Sul.
A segunda viagem esteve sob a liderança do capitão Günther, e a viagem foi até a costa da América do Sul e terminou no final de dezembro de 1952 na Dinamarca. Essa viagem também foi a última do Passat (ou era isso que todos pensavam). Depois disso ele foi ancorado em Travemünde.
O Passat ainda fez 5 viagens para a Argentina e Uruguai até ser restaurado em 1958, e em 1959 foi ancorado permanentemente.
O Passat, em toda a sua história, navegou 39 vezes ao redor do Cabo Horn e circulou o mundo 2 vezes.
O barco pode ser visitado e na época do Natal, ele é todo enfeitado com luzes coloridas. O visual é encantador e mágico.

Travemünde 17